Amamentar é Muito Mais que Alimentar Uma Criança


Segundo dados do Ministério da Saúde no Brasil, estima-se que o aleitamento materno seja capaz de diminuir em até 13% a morte de crianças menores de 5 anos por causas preveníveis. A informação chama atenção, principalmente pelo impacto que a amamentação tem na redução da mortalidade infantil nessa faixa etária e por não existir outra estratégia capaz de alcançar esse feito.


Leite materno é o primeiro contato do bebê com comida

Isso porque o aleitamento materno, além de ser uma fonte valiosa de nutrientes e anticorpos para o bebê, ainda reforça o vínculo entre mãe e filho. Isso traz impactos positivos na saúde da criança por toda a vida.


Não existe outro leite igual, nem parecido com o leite materno


A recomendação é amamentar até os dois anos ou mais, sendo de forma exclusiva até os seis meses de vida da criança. Nessa fase, não é necessário ingerir nada além do leite materno, nem mesmo água. Isso porque, bebês alimentados somente pelo leite da mãe até os seis meses, já recebem todos os nutrientes e a hidratação que precisam para esta fase da vida.


Sobre o leite materno


Produzido naturalmente pelo organismo da mulher, o leite materno é o único alimento que contém anticorpos e outras substâncias capazes de proteger a criança de muitas doenças, como a diarreia, infecções respiratórias e alergias. Além disso, o leite materno ajuda a reduzir o risco de asma na fase adulta, desenvolver diabetes tipo 2 e previne até a obesidade.


E as vantagens da amamentação vão ainda mais além!


Os dois primeiros anos de vida são os mais decisivos para o crescimento e desenvolvimento do organismo da criança. É por meio dos movimentos que a criança faz para retirar o leite do peito, que ela recebe os estímulos necessários para o desenvolvimento da face. Isso reduz as chances de ter problemas com a respiração, mastigação, fala, o alinhamento dos dentes e, também, para engolir.

Além do desenvolvimento físico, a amamentação também influencia no desenvolvimento cognitivo e emocional. Nesse sentido, durante as mamadas a criança recebe vários estímulos que a ajudam a se desenvolver, como a troca de calor, de cheiros, sons, olhares e toques, estabelecendo seus primeiros laços afetivos.


 

Fonte: Viva Bem