top of page
  • Foto do escritorDra. Priscilla Sodré

Setembro Amarelo: Mulheres, Imigrantes e a Importância da Prevenção


Olá queridos leitores, estamos em Setembro, o mês dedicado à prevenção ao suicídio. E, esse é um problema que afeta muitas mulheres e imigrantes, que, por diversos fatores que iremos mencionar, podem se tornar mais vulneráveis ​​a problemas de saúde mental. Por isso, decidi escrever sobre esse assunto tão cheio de estigmas e tabus.


O suicídio é uma questão complexa e preocupante em todo o mundo, afetando pessoas de todas as idades, gêneros e origens. No caso das mulheres, existem algumas particularidades.


Eles têm uma taxa de tentativa de suicídio mais alta em comparação com os homens, mas a taxa de suicídio consumado é geralmente maior entre os homens. Existem várias razões complexas para essa discrepância:


Escolha de métodos

As mulheres tendem a recorrer a métodos menos letais em suas tentativas de suicídio, enquanto os homens frequentemente escolhem métodos mais violentos, como armas de fogo. Isso explica porque as taxas de tentativa são mais altas entre as mulheres, mas as taxas de suicídio consumadas são maiores entre os homens.


Fatores sociais e culturais

As mulheres podem ser mais propensas a relatar suas emoções e buscar ajuda, enquanto os homens, muitas vezes, têm maior relutância em fazê-lo devido às normas sociais de masculinidade que desencorajam a expressão emocional.


Saúde mental

Os transtornos mentais, como depressão e ansiedade, são fatores de risco significativos para o suicídio. As mulheres tendem a ter taxas mais elevadas de transtornos mentais em comparação com os homens, o que pode contribuir para a disparidade nas taxas de tentativas de suicídio.


As taxas de suicídio podem ser influenciadas por diversos fatores, incluindo gênero, idade, saúde mental, contexto social e cultural, entre outros. Em relação aos imigrantes, vários estudos sugerem que pode haver um maior risco de suicídio em comparação com não imigrantes. No entanto, é essencial considerar que a situação pode variar significativamente de acordo com o contexto e a experiência individual de cada imigrante.


Alguns fatores que podem contribuir para esse risco incluem:


Estresse e isolamento

Os imigrantes enfrentam frequentemente desafios significativos para se adaptarem a um novo país, incluindo barreiras linguísticas, dificuldades em encontrar emprego e estabelecer uma rede de apoio social. O estresse e o isolamento podem aumentar o risco de problemas de saúde mental, incluindo o suicídio.


Discriminação e xenofobia

Pode haver discriminação, preconceito e xenofobia em seu novo ambiente, o que pode afetar negativamente sua saúde mental.


Traumas vivenciais

Alguns imigrantes podem ter experiências traumáticas em seus países de origem, como guerra, violência, abuso ou perseguição política. Esses traumas podem persistir e impactar sua saúde mental após a imigração.


Acesso a serviços de saúde

Algumas mulheres imigrantes podem enfrentar dificuldades no acesso a serviços de saúde mental devido a barreiras culturais, linguísticas ou legais.


É importante ressaltar que a experiência de mulheres e imigrantes é diversa e complexa, e nem todas enfrentam os mesmos desafios ou têm o mesmo risco de suicídio. O bem-estar emocional e mental pode ser influenciado por diversos fatores, e a compreensão desses fatores é fundamental para o desenvolvimento de estratégias de apoio e prevenção eficazes.


Se você ou alguém que você conhece está passando por momentos difíceis ou precisa de ajuda emocional, é essencial buscar apoio de profissionais de saúde, serviços de apoio emocional ou organizações especializadas em questões de saúde mental. Em muitos países, existem linhas de apoio e serviços disponíveis para fornecer suporte adequado.


No Brasil e na Inglaterra, existem diversos órgãos e organizações que oferecem ajuda e suporte para pacientes que apresentam problemas de saúde física, mental ou emocional; não somente no Setembro Amarelo, mas no ano todo. Abaixo alguns exemplos de órgãos de ajuda em ambos os países:


Brasil

Centro de Valorização da Vida (CVV)

É uma organização que oferece apoio emocional e prevenção do suicídio através de ligações telefônicas gratuitas, e-mail e chat. https://www.cvv.org.br/- Tel- 188 CAPS (Centros de Atenção Psicossocial)

São serviços de saúde que oferecem atendimento a pessoas com transtornos mentais graves e persistentes. Inglaterra Samaritans É uma organização de caridade que oferece suporte emocional para pessoas que estão enfrentando momentos difíceis, incluindo aqueles que estão lidando com pensamentos suicidas.

Tel- 116123 Mind É uma instituição que oferece informações e apoio para questões de saúde mental, bem como campanhas para combater o estigma associado a problemas mentais.

Tel- 0300 123 3393

NHS (National Health Service) O sistema público de saúde no Reino Unido, que oferece assistência médica gratuita, incluindo serviços de saúde mental.

https://www.nhs.uk/service-search/mental-health/find-an-urgent-mental-health-helpline Mental Health Foundation Uma organização que promove a saúde mental, realiza pesquisas e oferece recursos e informações para melhorar o bem-estar mental.

https://www.mentalhealth.org.uk/explore-mental-health/get-help Esses são apenas alguns exemplos de órgãos especializados em saúde mental em ambos os países.


Nunca deixe de procurar ajuda, um atendimento especializado pode salvar muitas vidas!!




Comments


bottom of page